Com a idade vem a sabedoria. No entanto, ela muitas vezes também vem acompanhada de artrite e outras conhecidas doenças e limitações. Diante do envelhecimento da população em todo o mundo, a Ford criou há alguns anos a “Roupa da Terceira Idade” – uma roupa projetada especialmente para dar aos engenheiros uma experiência prática do que é ser uma pessoa idosa.

Durante anos, esse recurso ajudou os designers da Ford a projetar carros para oferecer conforto e facilidade tanto para os jovens como para pessoas de mais idade, incluindo equipamentos como câmera de visão traseira e melhor ponto “H” – o ponto onde as pernas se apóiam – para facilitar o acesso ao interior.

Agora, a “Roupa da Terceira Idade” está se tornando uma ferramenta dos arquitetos para projetar casas que atendam às necessidades dos clientes mais velhos. Um grupo de arquitetos da Hahn & Helten visitou o centro de pesquisas da Ford em Aachen, na Alemanha, para experimentar o equipamento e saiu de lá com uma ideia melhor do que os idosos precisam, como por exemplo escadas mais suaves, ou por que é importante ter assentos altos, para que o ângulo dos joelhos não ultrapasse os 90 graus e seja mais fácil se levantar.

“Pela primeira vez, pudemos sentir as restrições enfrentadas pelo nosso público alvo e ter uma compreensão melhor das suas necessidades”, diz Gunter Helten, diretor administrativo da empresa. “Vamos aplicar o que aprendemos para oferecer projetos mais adequados aos nossos clientes.”

Movimentos limitados

A “Roupa da Terceira Idade” tem vários dispositivos que reduzem a capacidade de se movimentar e comprometem os sentidos. Uma espécie de colete com ombreiras restinge a flexibilidade do tronco, principalmente na junção com as pernas. As chamadas órteses endurecem as juntas dos joelhos e cotovelos, e também dos pés, limitando seus movimentos. Normalmente, esses aparelhos são usados pelos ortopedistas para imobilizar membros fraturados depois de acidentes ou operações.

Um colar rígido impede a cabeça de virar para os lados. Luvas de látex reduzem a sensibilidade ao toque, um sintoma freqüente de doenças como diabetes. Luvas sem dedos ajudam os jovens a sentir a perda de força nas mãos e a imobilidade dos dedos. Tampões de orelha diminuem a capacidade auditiva. Óculos projetados especialmente simulam as conseqüências de diferentes doenças oculares, como glaucoma e catarata. Em vários casos, o idoso também perde a capacidade de enxergar lateralmente e em três dimensões.

Envelhecimento mundial

As projeções mostram que a população mundial está ficando mais velha. Na Europa, a população com mais de 65 anos cresceu de 13,9% em 1990 para 17,2% em 2009 e a previsão é chegar a 30% em 2060. A média de idade nos Estados Unidos também aumentou de 35,2 anos em 1990 para 40,7 anos em 2009, com a expectativa de alcançar 47,9 em 2060.

“Nós desenvolvemos essa roupa para mostrar aos nossos engenheiros e designers o que é ser uma pessoa idosa”, diz Achim Lindner, médico do Centro Europeu de Pesquisas da Ford. “Quando você é jovem, acha que está projetando para todo mundo, sem compreender as diferenças das pessoas e suas limitações. É preciso sempre ter em mente que envelhecer não é uma doença, mas um processo natural da vida.”

FONTE

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...